Clô Orozco é encontrada morta em SP. Conheça a trajetória da estilista que estava entre as mais importantes da Moda Brasileira

084_decoracao-casa-das-estrelas-clo-orozco

Despedida

Vivia uma vez em São Paulo, uma linda e prendada moça. Entre panos e panelas, aquela mulher se fez como uma grande dama da moda paulistana. Soube ser minimalista na medida certa e desconstruiu a moda como ninguém.

E lá se vai ela, deixando saudade!

E deixa cheia de história a memória das mulheres de moda de São Paulo.

Sobre ela podemos dizer, sem medo de errar, que criou uma escola. Podemos dizer que, junto com outras mulheres desta cidade, criou uma identidade para a moda, a das mulheres que criam moda para mulheres.

Dela me lembro em um corredor da FENIT usando um vestido vermelho florido e calçando sandálias havaianas para barbarizar.

Revolucionária, visionária e criativa, como a Chanel de nossa terra Brasilis, assim ficará, em nossas mentes e em nossos corações!

A notícia

Na manhã desta quinta-feira, 28 de março, a estilista Clô Orozco foi encontrada morta na frente de seu prédio no bairro de Higienópolis em São Paulo. Tudo indica que pode ter sido suicídio, mas ainda está sob investigação.

Segundo o Corpo de Bombeiros, pouco antes das 8h a corporação recebeu chamado para atender a queda de uma mulher do 5º andar de prédio na Rua Rio de Janeiro, 160. Duas motos dos bombeiros e do Samu foram deslocadas, mas a morte foi constatada no local. Segundo um sobrinho, Clô fazia tratamento contra “esquizofrenia paranoide” e já tinha tentado suicídio outras duas vezes.

A Trajetória

Clotilde Maria Orozco de García, aos 60 anos, estava à frente do grupo Huis Clos, onde a marca homônima e a Maria Garcia estavam entre as marcas mais tradicionais e sofisticadas grifes femininas nacionais. O diferencial das marcas eram a perfeição dos cortes, a qualidade dos tecidos, a variedade de acessórios e principalmente seu trabalho conceitual.

Nos anos 1970, quando inaugurou sua primeira loja, a multimarcas Splash, a estilista conheceu 0 primeiro marido, Renato Kherlakian, criador da Zoomp. Clô fundou a Huis Clos em 1979 e, dois anos depois, lançou a linha masculina Huis Clos Homme, que durou quatro anos. As marcas francesas Hermès e Lanvin eram as favoritas da estilista.

Atualmente, a Huis Clos tem três lojas em São Paulo e 25 pontos de venda em lojas multimarcas distribuídas pelo país. A marca era atualmente comandada pela estilista Sara Kawasaki, que assumiu o estilo da grife em janeiro de 2008.

O universo estético de Clô Orozco era feito de sonho, construção e feminilidade. Em mais de trinta anos de carreira, Clô fez as roupas que ela mesma gostaria de vestir, equilibrando universos opostos: o esporte feito com tecidos nobres; o feminino atenuado pelo masculino; o Ocidente e o Oriente; o bordado para usar de dia; o tecido de alfaiataria no vestido de noite.

A apresentadora Marília Gabriela e a atriz Camila Morgado estão entre as personalidades fãs da marca. Marília já chegou a declarar que não vestia nada que não fosse Huis Clos. Walter Rodrigues e Paula Marques passaram pelo ateliê da marca no início de suas carreiras.

Referência da alta costura brasileira, Clô Orozco também é responsável pela tradução do livro infanto-juvenil “Diferente como Chanel”, da norte-americana Elizabeth Matthews, que conta a trajetória da célebre estilista Coco Chanel.

Segundo Bol Notícias,  nos últimos anos, as grifes de Clô passavam por dificuldades financeiras, motivo pelo qual teriam fechado algumas lojas e deixado de participar das edições mais recentes do São Paulo Fashion Week. Fato que deve ter pesado na Depressão da Estilista.

2013-03-28_170759 Estilo Clo orozco
Imagem via Simone Monte

2013-03-28_175748 clo orozco jovem

As duas damas da moda paulistana, Glória Coelho e Clô Orozco, imagem via Bol Notícias. Clô no início da carreira. Foto via : FFW

Confira algumas criações da Clô Orozco

Continue lendo

Publicado em História da Moda | Deixar um comentário

Philippe Starck – Polêmico, autodidata, um homem do seu tempo

philippe starck 1 Philippe Starck   O arquiteto e designer francês que reinventa objetos, manipula espaços e cria ambientes em um estilo único fotos

Philippe Starck – O arquiteto e designer francês que reinventa objetos, manipula espaços e cria ambientes em um estilo único

O objetivo deste texto é apresentar o trabalho do polêmico designer Philippe Starck e sua obra como pontos reveladores do modo de viver e da estética contemporânea pós-moderna.

O trabalho arquitetônico também tem grande peso na marca da criatividade contemporânea, assim como os quatro grandes nomes do século XX – Mies Van Der Rohe, Frank Lloyd Wright, Le Corbusier e Tadao Ando.

Philippe Starck é um arquiteto autodidata. O conceituado designer francês nasceu em Paris no dia 18 de janeiro de 1949. Sua obra é multidisciplinar, vai do design de interiores ao de bens de consumo de massa, como objetos para o lar, motos, cadeiras, mouses para computador e escovas de dente.

Starck tem ainda uma vasta obra arquitetônica que se mescla ao design de interior, vista e reconhecida em hotéis icônicos espalhados por todo o mundo.  Ele é conhecido como um fenômeno internacional na área de design de móveis e produtos.

piscina baixa02 yoo Philippe Starck   O arquiteto e designer francês que reinventa objetos, manipula espaços e cria ambientes em um estilo único fotos
Hotel Yoo em Punta del Este, está entre as obras de arte projetados pelo design com seu estilo único
Continue lendo

Publicado em Arte e Cultura | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

O livro História da Moda no Brasil – João Braga Neto e Luís André Prado

Há muito que nós estudiosos e curiosos da história da Moda precisamos de um estudo que abrangesse o “vestir tropical” das suas origens aos tempos atuais. Portanto, é com muita alegria que comento a recém lançada obra História da Moda no Brasil de João Braga e Luís André do Prado.

Não desmerecendo a parceria, principalmente porque sei que mais que fôlego, é preciso ter parceiros para dar conta de tal empreitada, este livro é para mim, a obra grandiosa de um amigo e parceiro querido.

História da Moda no Brasil é um daqueles textos que costumamos chamar de fundador, será impossível daqui para frente fazer qualquer estudo sobre a moda brasileira sem passar pelas referencias históricas destes autores.

Com uma escrita muito afetuosa, João e Luis tornaram esta leitura algo repleto de informação e de um tanto da memória de todos nós.

Historiador, assim como eu, João Braga honra a nossa estirpe no quesito metodológico e no levantamento das nossas raízes como povo de Moda ao falar da força do Pau Brasil e seu corante como força que impulsionou nossa colonização mercantilista. Importante também é a contribuição deste texto sobre nossas raízes têxteis junto ao movimento e aculturação do imigrante europeu no sul do país, bem visto quando fala do Dr. Blumenau e da jovem Renner, também é importante a história de nossos alfaiates e seus auxiliares escravos.

Continue lendo

Publicado em História da Moda | Com a tag , , , , , , | Deixar um comentário

História da Alta Costura: Evolução e Conceitos – Parte 3

Conceitos sobre o segmento de mercado das roupas de festa: a Alta Costura

As roupas do segmento de Alta Costura ou de Prêt-à-Porter de luxo, têm como função vestir de forma apropriada em determinadas ocasiões, promovendo a mulher, passando uma imagem elegante ou sensual demonstrando sua classe e bom gosto, como também o conhecimento de que ela está na moda.  Essas roupas são feitas para ocasiões especiais como casamentos, bailes de formatura, cerimoniais, recepções e outros eventos em se seja solicitado um traje a rigor, agregado a um valor de luxo e elegância na forma de vestir.

O vestuário é uma espécie de classificador de indivíduos capaz de mostrar sua classe social, grupo, estado de espírito. Segundo Durand (1989, 27) as roupas são meios de comunicação; estamos transmitindo mensagem o tempo todo, através da aparência do nosso corpo vestido.

Cores que antes eram femininas, hoje os homens usam, tabus são quebrados conforme surgem novas maneiras de ver as formas e cores.

Na antiguidade as roupas eram praticamente iguais, tantas as masculinas como as femininas. Foi somente na Idade Moderna que elas sofreram modificações separando a vestimenta masculina da feminina.

Com a Revolução Francesa derrubam-se as “Leis Suntuárias”, onde a monarquia perde o direito absoluto de usarem determinadas cores.


Imagens via Tribo JeansJanet Kruskamps

Considerações sobre os seguidores da Alta Costura

Segundo Durand, a Alta Costura é o artesanato de luxo que veste mulheres de elite. As clientes são geralmente esposas, filhas ou outras parentes de grandes homens de negócios, políticos ou membros das altas cúpulas do Estado. Em geral famílias socialmente mais ativas que mantém calendários mais repletos de festas, viagens, recepções e cerimônias. DURAND, (1989, 47).

Ainda segundo Durand, Alta Costura começou a existir em países onde houve nobreza de tradição e vida de corte que costumava definir os termos de refinamento, de maneiras e de exclusividade social. A Alta Costura vestia também mulheres de alta burguesia que acabam se misturando a nobreza pelo casamento, frequentando os mesmos lugares e os mesmo s costureiros.”

Continue lendo

Publicado em História da Moda | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

A história da Costura, a evolução do Prêt à Porter e seu impacto na Economia pós-moderna / Parte 2

Através da Moda, a roupa, tem sido utilizada como instrumento social para exibir riqueza e posição, podendo revelar nossas prioridades, aspirações, traços de caráter liberal ou conservador. Emprestando elegância e cor ao cotidiano, nossa aparência dá forma aos nossos sentimentos. Para Gilda de Melo e Sousa em O Espírito da Roupas, o vestuário (roupa) é a principal palavra da linguagem que é a Moda.

Já segundo Gilles Lipovetsky em O Império do Efêmero (1993), tudo que está em evidência num determinado momento da história, de alguma forma vira moda e essa influência pode ser o estilo de uma cantora, um artista, um criador de moda, ou até mesmo a situação em que um país vive (economicamente, cultural, etc.).

Para ele, quem faz a Moda são as pessoas que gostam de algo que está em evidência decorrente de algum acontecimento do momento ou de algum pop star, já que Moda é o comportamento provocado pela identificação em massa.

Aqui a questão a ser colocada é a do fazer da moda através da produção de uma estética transmitida pela cultura de massa e produzida industrialmente, que gerou e tem mantido a cultura Fashion.

A palavra fashion vem do latim factio, que significa fazendo, ou fabricando, e dela deriva a palavra facção. Portanto, fashion é algo que alguém fazia ou fabricava.

Em 1840, com o surgimento da máquina de costura, estabeleceu-se a base para a indústria prêt-à-porter. As cinco principais capitais da moda dos séculos XIX e XX passaram a ser então Paris, Londres, Nova York, Roma e, mais recentemente, Milão. Para lá foram atraídas as pessoas criativas desse meio, embora outros centros, como Hollywood, também tenham dado sua contribuição.

Nada reflete mais a liberdade e a tecnologia de uma época do que a Moda. O século XX, por ter passado por tantas transformações em um período tão curto, historicamente, talvez tenha sido o espaço de tempo mais criativo da humanidade em matéria de roupas.

A Moda encarna as transformações políticas e reflete a vida cotidiana da maior parte das sociedades. Este é o motivo pelo qual seu estudo se incorpora ao universo da memória dos povos e civilizações, e por isso, esta sendo usada também para estudar a organização do trabalho e das profissões. Segundo Grumbach (2009), três datas marcam a História da Costura.

A História da Costura

Continue lendo

Publicado em História da Moda | Com a tag , , , | Deixar um comentário

Museus e conceitos de Moda – Seu impacto na economia pós-moderna / Parte 1

A moda é tida como o uso passageiro que regula a forma de vestir, calçar e pentear que deriva de um gosto coletivo ou uma predileção por qualquer hábito e, sem dúvidas é uma prática geralmente imitada entre as pessoas. Representa quem somos o que pensamos e que imagem constrói para sermos reconhecidos no nosso meio social. É uma construção de imagem capaz de refletir, através de corpos vestidos, épocas e os costumes das sociedades que nela surgem. Gilda de Mello e Sousa: O Espírito das Roupas (1992).

A consolidação do fenômeno da Moda como área de estudo dentro das Universidades trouxe novos olhares e uma abrangência maior da percepção do vestir como fonte de formação de riquezas e mão de obra no mundo todo.

Estudos encabeçados pelo núcleo de semiótica da PUCSP e pelos mestrados do SENAC, Universidade Anhembi Morumbi e Universidade Mackenzie, produziram uma grande quantidade de novas reflexões sobre a área e nos levam a rever os conhecimentos produzidos entre os anos 80 e 90 do século XX.

Didier Grumbach e Daniel Roche, através da História das Aparências trazem à tona novos olhares para temas que estão sendo amplamente revisitados, exigindo novas definições. A mudança das antigas fronteiras e uma nova conceituação para a Alta Costura e o Prêt à Porter, obriga que essas áreas da Moda sejam analisadas também, como participantes das economias pós-modernas.

Continue lendo

Publicado em História da Moda | Com a tag , , , , | Deixar um comentário

Fernanda Yamamoto encanta na SPFW Inverno 2011

Fernanda Yamamoto spfw inv 2011 50a 298x450 Fernanda Yamamoto traz delicadeza e fluidez para SPFW Inverno 2011 fotos

Vamos combinar que , com tanto preto e tanto cinza, uma boca vermelha é urgente e necessária. Mas o que me traz aqui é o encantamento com a apresentação da coleção de Fernanda Yamamoto no último dia do SPFW: QUE LINDO!

Me alegro, me espanto e me encanto.  Quando foi a última vez que vimos uma mulher trazer algo novo para a moda brasileira?

Todos comentavam sobre influência japonesa que tornou esta coleção tão nova e moderna. Eu penso diferente, tanta transparência, formas tão fluídas e volumes arredondados lembram a mais inovadora tradição de moda do século XX. Fernanda modernista, Yamamoto Paul Poiret.  Essa moça mostrou ter um imenso conhecimento da tradição de moda produzida em Paris do século passado, na Itália dos anos 80 e um domínio perfeito de usos de materiais, modelagem e superfícies têxteis.

Parabéns para as mulheres que conseguem inovar neste universo tão dominado pelo sexo masculino.Viva essa inovadora, que sabe usar a fluidez do Armani e as curvas de Claude Montana. O comprimento das saias não é comercial, mas o valor da coleção é o vento fresco que traz para a tradição das mulheres criadoras como Chanel, Vionnet, Donna Karan, Gloria Coelho e Rei Kawakubo.

Leia entrevista com Fernanda Yamamoto, que estudou Moda na Parson de Nova Iorque.

Por Queila Ferraz

Fernanda Yamamoto spfw inv 2011 52a 298x450 Fernanda Yamamoto traz delicadeza e fluidez para SPFW Inverno 2011 fotos

Continue lendo

Publicado em Estilo | Com a tag , , , | Deixar um comentário

Moda brasileira vende estilo de vida para o mundo

Brasil conquista cenário internacional, mas ainda emperra na falta de infraestrutura

Por Lilian Burgardt – especial para o STYLEKF

Durante o período pós-guerra, muitos países se desenvolveram ao passo em que as grandes potências da Europa reconstruíam seus alicerces. Foi assim com os Estados Unidos, uma história de desenvolvimento econômico que o mundo todo conhece bem, e (salvas as proporções) se repetiu em alguns setores industriais de nosso país. Ainda na segunda metade do século XX experimentamos o crescimento de nossa indústria têxtil, desencadeando, mais tarde, a expansão de todo um segmento, a moda brasileira.

Não à toa, o Brasil comemora hoje a 6º posição no ranking mundial entre os produtores têxteis e a auto-suficiência na produção de algodão, mas os bons frutos não param por aí. Porque somos vistos como um povo eclético, criativo e transpiramos essa identidade, a moda nacional tem atraído cada vez mais o consumidor estrangeiro que busca o “life style” de nosso povo, conceito embutido em nossos produtos, o que tem nos garantido um bom posicionamento de mercado, concorrendo inclusive com países consagrados nessa indústria, como França e Itália.

As semanas de moda – cada vez mais presentes na agenda dos brasileiros – são prova do fortalecimento do setor. E, para especialistas, têm ajudado a organizá-lo. Segundo a diretora de marketing do Ibmoda (Instituto Brasileiro de Moda), Luciane Robic (foto a esquerda), os eventos de moda trouxeram uma rotina para o mercado não só para quem desfila. “Mesmo empresas que não participam das semanas de moda, agora organizam e planejam suas coleções. Sem dúvida, eles ajudaram a ampliar nossa visão comercial.”

É com bons olhos que especialistas brasileiros ligados à moda e ao setor têxtil enxergam o espaço conquistado pelo Brasil em âmbito internacional, especialmente quando falamos do mercado europeu – considerado o mais exigente – por ele ter se rendido ao encanto da moda brasileira, quando o fruto de tanto sucesso ainda é resultado de um trabalho que caminha sem apoio governamental para fortalecer as bases da indústria nacional. Essa, aliás, uma das principais críticas dos especialistas.

“Mesmo empresas que não participam das semanas de moda, agora organizam e planejam suas coleções. Sem dúvida, os eventos de moda ajudaram a ampliar nossa visão comercial.” Luciane Robic, Ibmoda.

Continue lendo

Publicado em Indústria da Moda | Com a tag , , , | Deixar um comentário

Tribos Urbanas – O Movimento Hippie no Brasil – Parte 4/4

Era a época da Bossa Nova, Jovem Guarda e Tropicália quando os estudantes cariocas programaram mais uma passeata na noite de 28 de março de 1968. A polícia militar interveio e o estudante Edson Luís foi morto no Calabouço, no centro do Rio de Janeiro, que era um restaurante popular mantido pelo governo para atender estudantes.

O velório aconteceu à noite na Assembléia Legislativa e mais de 50 mil pessoas compareceram ao enterro. Durante a cerimônia o povo gritava slogans em oposição ao governo e à violência. Foram três dias de luto no Rio de Janeiro acompanhados de uma greve nacional dos estudantes e paralisação do teatro. Edson Luís simbolizou e fortaleceu a causa estudantil.

A atmosfera de protesto contagiou o país inteiro e começava a ferver ainda mais o movimento dos estudantes. A guerrilha era a forma básica de luta em todo o terceiro mundo e o exemplo de Cuba inspirava intelectuais em toda a América Latina.

Jovens entusiasmados, predominantemente de classe média, lançaram-se em lutas guerrilheiras. O sonho era o fim da ditadura e a implantação de um regime marxista no Brasil.


Glauber Rocha. Fotos: Mar de Cultura e Colunas

Lançando um novo jeito de fazer cinema, Glauber Rocha dizia que onde houvesse um cineasta disposto a filmar a verdade e enfrentar os padrões hipócritas e policialescos da censura intelectual, haveria um germe do cinema novo.

Onde houvesse um cineasta disposto a enfrentar o comercialismo, a exploração e a pornografia e o tecnicismo, germinaria o cinema novo. Onde houvesse um cineasta de qualquer idade ou de qualquer procedência, pronto a por seu cinema e sua profissão a serviço das causas importantes de seu tempo, ali haveria um germe do cinema novo.

O ator Zé Celso Martinez Corrêa, contemporâneo de Glauber, dizia que os jovens não queriam compactuar com a cultura dominante e queriam um teatro de choque. Por conta disso era preciso criar não apenas um ou dois, mas vários vietnãs culturais. Sendo assim, criou junto ao teatro de Arena a estética do oprimido e ganhou singularidade o Teatro Oficina como busca de uma expressão nova para o jovem.


Foto: Revista Maneira

O movimento tropicalista nasceu de uma obra do artista plástico Hélio Oiticica que propunha um happening. Construiu no morro da mangueira um caminho com o chão coberto de pedrinhas e água. No final do túnel, uma televisão mostrava o contraste entre o primitivo e o civilizado. A obra chamava Seja Marginal, Seja Herói e Cosmococa. O espectador tinha uma participação corporal, tátil, visual e semântica.

Imagem do blog Virtuália e do blog La Cumbuca

Continue lendo

Publicado em Arte e Cultura, Comportamento, História da Moda | Deixar um comentário

Pitti inaugura desk em São Paulo, promovendo a internacionalização da moda italiana

Divulgar não apenas suas feiras e eventos como também todo o sistema de moda italiano no Brasil. É com esse objetivo que a Pitti Immagine recentemente inaugurou seu primeiro desk brasileiro, na cidade de São Paulo, em colaboração com o ICE – Instituto Italiano para o Comércio Exterior, entidade governamental ligada ao Ministério Italiano do Desenvolvimento Econômico, que atua na promoção e intercâmbio comercial e tecnológico entre a Itália e os demais países.

Mostrando o crescente interesse do setor de moda italiano pelo Brasil, a abertura do desk pretende aproximar os eventos dirigidos à moda masculina, feminina e infantil, organizados pela Pitti, tanto dos compradores como também das indústrias brasileiras, contribuindo para a ampliação da presença da moda italiana no Brasil.

Paralelamente as atividades de promoção entre as empresas, o desk Pitti terá também a missão de aproximar as instituições e a imprensa brasileira aos salões promovidos, reforçando a identidade dos eventos como encontro estratégico de moda. “O desk no Brasil reforça a estreita colaboração com o ICE, parceria fundamental para divulgar os eventos da Pitti em novos mercados e reforçar a presença da moda, marca e identidade do Made in Italy no mundo”, explica Giovanni Sacchi, diretor do ICE.

Pitti – Chi siamo?

Pitti Immagine organiza alguns dos eventos de moda mais importantes do mundo, promovendo o sistema da moda italiana em diversos mercados e lançando tendências:

Pitti Uomo

A feira, que acontece em Firenze, na Itália, duas vezes ao ano (janeiro e junho), é a maior manifestação de moda masculina do mundo, com uma vasta seleção de grandes marcas internacionais, que lançam suas coleções e tendências globais no início da temporada.

Fotos Pitti Uomo: Desfile, 40 Weft e Barbour

Pitti W_Woman Pre-collection

O evento é realizado paralelamente a Pitti Uomo, onde os expositores escolhem pré-coleções para a capsule collections e para projetos específicos vinculados às novas abordagens da elegância feminina.

Fotos Pitti  W_Woman Pré-Collection

Pitti Bimbo

Continue lendo

Publicado em Estilo, Eventos e Cursos | Com a tag , , , | Deixar um comentário