O que é design de moda e a evolução da indústria da moda – Parte 4/4

Máquina de fiar, que acelerou a fabricação de tecidos no início da Revolução Industrial – Imagem do site iG Educação.

A manufatura das roupas, nas sociedades industriais do século XIX, desenvolveu-se de duas maneiras diferentes. Havia uma procura de costureiras por encomenda, de costuras delicadas e sob medida, que só podiam ser feitas à mão, e ao mesmo tempo, começava a produção em massa do vestuário industrializado padronizado, tanto nos modelos como nas medidas.

O aparecimento das fábricas de roupas reforçou a divisão entre as empresas que usavam maquinário e recrutavam mão de obra semiqualificada, e os velhos artesãos. No comércio tradicional dos alfaiates, cada peça de roupa era feita separadamente por um só trabalhador; isto era conhecido como método da peça única.

Os alfaiates haviam estado entre os primeiros artesãos independentes e tinham estabelecido as suas corporações nas cidades medievais. Eram organizações de patrões, que trabalhavam normalmente com as suas famílias, um ou dois trabalhadores experientes, contratados por dia, e alguns aprendizes.

No século XVII, surgiu a loja de alfaiate. Os alfaiates eram comerciantes estabelecidos que tinham capital suficiente para alugarem uma loja numa zona chique das cidades, para terem estoque de tecidos caros e oferecer crédito ilimitado às pessoas da sociedade que formavam sua clientela. O comércio era sazonal e os trabalhadores das alfaiatarias eram contratados e despedidos conforme as necessidades.

Na Inglaterra e nos Estados Unidos, dois grupos de trabalhadores vieram juntar-se às fileiras dos trabalhadores temporários e semiqualificados. No final do século XIX usaram trabalho dos emigrantes, especialmente judeus. No início do século XIX, as mulheres passaram de simples operárias a aprendizes de alfaiates em número cada vez maior. Os trabalhadores judeus, em muitos casos, já eram reconhecidos como alfaiates qualificados.

Foi durante o período entre 1898 e 1910, que a indústria do vestuário feito em massa arrancou de fato, tanto na Inglaterra como na América. A expansão das fábricas de confecção, no entanto não causou a falência das lojas de alfaiates ou o desaparecimento das costureiras que trabalhavam por dia. Pelo contrário, este sistema aumentou o trabalho a domicílio.

Na virada do século XIX para o XX, os grupos feministas lutavam para acabar com a exploração salarial do trabalho da mulher e da criança, e obtiveram sucesso. A Primeira Guerra mundial fortaleceu o movimento dos Trade Boards e melhorou as condições de trabalho.

Em 1909 houve uma greve histórica na indústria das roupas onde 20 mil trabalhadores deixaram seus trabalhos. Apesar da maioria dos grevistas ser constituída por homens, foi a maior greve feminina da América. E esta greve levou a um acordo histórico que foi assinado pelos patrões, e a partir daí, as roupas femininas começaram a ser criadas também visando às necessidades de uso para o trabalho da mulher, isto, é, começaram a se fazer roupas funcionais.

Nos EUA havia um grande campo para roupas feitas em massa. As grandes distâncias geraram a possibilidade de se reproduzir e vender roupas em grande quantidade, tanto de modelos quanto de tamanhos e, para os diferentes centros.

Entre os anos 20 e 30, houve mudanças importantes na indústria das roupas, que conseguiu traduzir as medidas masculinas pessoais para um padrão de roupa feita em fábrica. A moda da classe média também se desenvolveu em estilos próprios diferentes e com boa qualidade.

Nos anos 40 a produção de roupa barata e atraente estava cada vez mais ligada ao desenvolvimento de métodos de fabricação modernos que envolviam rapidez, estilo, qualidade e preço.
Durante a década de 50, com o fim do período de guerras mundiais, houve uma melhoria nas condições de vida e com isso, o crescimento de uma sociedade consumidora. Outro fator que contribuiu enormemente para o desenvolvimento da industrialização de roupas foi o surgimento do mercado voltado aos jovens estudantes.

Nos anos 60 há surgimento do mercado voltado aos jovens estudantes

Nos anos 60Na metade da década de 60, quase metade das roupas industrializadas era destinada à faixa etária de 15 a 19 anos de idade. Esta mudança nos hábitos de consumo da juventude foi um fenômeno de moda e ocorreu inicialmente na Inglaterra, o que fez com que o desenho de moda inglês para o mercado de massas começasse a liderar o resto do mundo.

O crescimento do mercado de moda se deu tanto para atender exigências das faixas etárias como pela globalização, que estabeleceu um padrão de elegância a nível global. Tal crescimento exigiu grandes reformulações nas estruturas de trabalho e um grande aprimoramento no maquinário. A modernização de todos os processos industriais continuou, introduzindo o planejamento computadorizado das provisões, o desenvolveu do corte a laser e o desenvolvimento, pelos japoneses, de máquinas que bordam até em tecidos muito delicados, e hoje, até a alfaiataria de fábrica por encomenda utiliza agora pontos feitos à máquina que imitam o aspecto do ponto feito à mão.

Cabe ressaltar que, tanto o setor têxtil quanto o de confecções não são geradores da sua própria tecnologia, o que significa que os seus respectivos avanços tecnológicos são incorporados pela utilização de bens de capital.

Porém, hoje, esta imensa sofisticação tecnológica coexiste com a mais terrível exploração de trabalhadores do terceiro mundo, numa versão gigantesca, em escala mundial, do velho sistema de despedimentos e de subcontratação de serviços facçionados, ou seja, o “sistema de suor”, como nos fala Karl Marx.

Máquinas que bordam até em tecidos muito delicados

Leia também:

O que é design de moda? Moda e Design na História da Indumentária – Parte 3/4

O que é design de moda? Origem e Evolução – Parte 2/4

O que é design de moda? Parte 1/4

Por Queila Ferraz

Esta entrada foi publicada em História da Moda e marcada com a tag , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

9 respostas a O que é design de moda e a evolução da indústria da moda – Parte 4/4

  1. Pingback: O que é design de moda? Origem e Evolução - Parte 2/4 | Fashion Bubbles - Mais que consumo, Moda como Arte e CulturaFashion Bubbles – Mais que consumo, Moda como Arte e Cultura

  2. Renata Cotrim de Brito disse:

    olá Queila, preciso me aperfeiçoar na confecção de moda intima será que vc pode me ajudar ? onde devo procurar um curso que me dê total apoio?
    Até mais, muito obrigada.

  3. chiclete disse:

    Oi Queila,td bomcopm vc? odorei sua meteria muito convincente ainda bem que vc fez essa matéria pq se ñ estaria ferrada no meu trabalho de história amei o tema e tudo mais……..

    Valeu e…

    Até mais………..

  4. bvhn disse:

    Olá Queila,suasmatérias são d*+ achei que ceria melhor…
    mas gostei

  5. Sarah disse:

    Ola Queila, Preciso de informações sobre engomagens e engomadeiras ( na area de fabricação de tecidos e de fios) , preciso saber tudo!

    Pode me ajujdar? Por favor! Grata

  6. sonia disse:

    oi queila sou estutante de tecnico de vestuario estamos realizando um trabalho sobre a modas da decadas de 20 e 30 pelo seu curiculo valiozo espero contar com sua ajuda obrigada esp res.

  7. Bruno Azevedo disse:

    Estou a realizar um trabalho para uma disciplina sobre a industria da moda! Gostaria que me desse algum contacto como o seu e-mail, para a poder contactar e de alguma forma lhe pedir ajuda neste campo, já que pelo seu curriculo, penso ser uma pessoa indicada. Isto se concordar. De qualquer forma agradecia que me respondesse o mais brevemente possível. Muito Obrigado.

  8. Neymar Queiroz Castro disse:

    Oi Queila, que bom ler suas matérias, tiro muito proveito para o meu trabalho. obrigada

  9. Raquel disse:

    Olá Queila, acho suas matérias muito esclarecedoras, gostaria de propor um tema… Qual a diferença entre marca e grife?
    Até mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *