O Movimento Hippie e a Influência do LSD (Parte 2/4)

jimi_hendrix_axis_album_cover

Leia também Tribos Urbanas – O Movimento Hippie (Parte 1/4)

Wilhelm Reich, psiquiatra austríaco, que havia sido perseguido por Hitler, foi expulso do partido comunista, preso na década de 50 pelo macartismo, vindo a morrer na prisão em 57 com parte de seus escritos queimados.

Reich foi considerado maldito e proscrito dos círculos oficiais, criou a sexpol, fincada na idéia de que há uma necessária ligação entre a saúde psíquica, a vida sexual e a consciência de classe. Não acreditava na possibilidade de saúde e liberdade num quadro sufocante como o do capitalismo das sociedades industriais de consumo. Pregava que sexo é corpo e mente. Como para o psiquiatra, o capitalismo escraviza o corpo e condiciona a mente, acaba sendo um entrave para a saúde psíquica plena. A revolução seria necessária para uma profilaxia eficaz das neuroses.

wilhelm-reich

Wilhelm Reich

Veja frases de Wilhelm Reich, extraídas, principalmente, de obras não publicadas em português.

O psiquiatra acabou virando referência para muitos intelectuais dos sixties, guru sexual dos jovens interessados na libertação do corpo, na compreensão dos desejos. Falava-se em amor livre, no slogan da época Make Love, Not War, não havia propriedade privada do corpo. Uma das terapias recomendadas pela contracultura era a sexual, outra pregava o uso de alucinógenos, como o americano, escritor e psicólogo, Timothy Leary que por isso, ficou conhecido como o papa do LSD.

papa-do-lsdsixties

1) Timothy Leary – o papa do LSD 2) Movimentos da contracultura

Para Leary tudo começou em agosto, quando professor de psicologia da universidade de Harvard, experimentou o LSD, droga sintetizada em laboratório, que era vista como analgésico e que podia aliviar a dor física e psíquica, comentava-se também a possibilidade de uso da droga na psicologia e psiquiatria, na medida em que poderia ajudar a compreender o universo do pensamento humano.

summer2

A partir dai, Leary começou a defender a tese de que o cérebro humano tem uma infinidade de potencialidades, podendo até operar em dimensões de tempo e espaço inusitadas. Dizia que ácido lisérgico é o passaporte que leva o homem além das previsíveis e limitadas fronteiras da consciência, permitindo-lhe gratificantes viagens de autoconhecimento.

Sua luta desde então, foi à expansão da mente, fornecendo ao homem um terceiro olho, que lhe faria enxergar o mundo com uma profundidade maior. O psicólogo acabou sendo expulso de Harvard; a droga que não era proibida na época tornou-se uma febre na América como a novidade do momento.

img_14

Dentre seus usuários, a maioria eram universitários e intelectuais consagrados. O termo psicodélico significa manifestação da mente e passou a ser empregado para se referir a estados de alteração da mente ligados a LSD; o ácido se tornou mais popular que a maconha, sendo adotado pelas diversas comunidades hippies espalhadas pelo mundo. Muitas bandas de rock surgiram para compor trilhas musicais para as viagens psicodélicas como Grateful Dead e Pink Floyd.

Pink Floyd – Wish You Were Here

Leary começou a ser visto como fanático, místico, um alquimista distante do universo científico acadêmico, acabou por se transformar no guru lisérgico de uma cruzada religiosa, cujo deus responde pelo nome de LSD.

timothy_leary1

Além dos jovens alegres e descompromissados que davam o maior destaque às questões comportamentais e existênciais, havia a ala da juventude engajada nas questões sociais, crente na força da ação política como motor das transformações, conhecida como poder jovem.

Jerry Rubin celebrizou-se diante de uma das principais organizações estudantis dos Estados Unidos e do mundo, a YIP Youth International Party (partido internacional da juventude) acionando a existência de uma comunidade hippie politizada.

A contracultura se misturou com a política; a imagem de Che Guevava se fundiu à de Hendrix na politização da psicodelia. Rubin, dirigente do partido e ex-líder estudantil em Berkeley afirmava que a união da nova esquerda com o estilo de vida psicodélico e, com a maneira de viver, nossa própria existência era a revolução.

psicodelico1

Tanto a liberdade individual foi importante para a revolução, quanto à revolução para a liberdade individual e para a revolução cultural que caminhava ao lado da revolução política. Começaram a pipocar no mundo organizações políticas progressistas ou de esquerda. Uma das mais importantes foi SNCC: Students Non Violent Coordinating Committee, dirigido por um líder religioso seguidor de Martin Luther King. Os negros mais exaltados organizaram vários grupos radicais, como o Black Panter, em 1966.

Como operar seu cérebro – Timothy Leary (Parte 1 de 3)

Grateful Dead – St Stephen

liqsound

Leia também Tribos Urbanas – O Movimento Hippie (Parte 1/4)

Por Queila Ferraz

(Queila Ferraz Monteiro é estudiosa de História da Moda, é consultora de design e gestão industrial para confecção e Professora de História da Indumentária e Tecnologia da Confecção dos cursos de Moda em várias faculdades , também é professora em cursos de pós-graduação em universidades como o Senac. queilamoda@yahoo.com.br )

Esta entrada foi publicada em História da Moda e marcada com a tag , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

9 respostas a O Movimento Hippie e a Influência do LSD (Parte 2/4)

  1. Sou completamente apaixonado por Reich e se ele tivesse morrido antes de eu nascer, eu jararia que era a reencarnação dele. Quando li e reli A função do orgasmo, poderia jurar que trechos e trechos eram escritos por mim. Se homens como ele fossem aceitos, estudados e acreditados teríamos um mundo de paz, de alegria e de muita qualidade de vida. Amo Reich. Veja a homenagem que faço com a compilação de trecho e frases dele: http://www.mudandoparadigmas.blogspot.com

    Antonio da Costa Neto
    Brasília – DF

  2. claudio disse:

    adorei tudo oque voce escreveu ooseia

  3. Lita disse:

    Violência é esse estupro a liberdade de lutar pelo que se acredita ser melhor, levando a uma total falta de respeito pelos ideais alheios, exacerbando um fanatismo que já devia ter escoado pelo esgoto. Não acredito em Deus da maneira convencional, não acredito em Satanás, o qual é sempre usado para desencorajar as pessoas a seguirem o que realmente querem em virtude de um ser que é Humanizado demais, eu acredito é no respeito mútuo, se querem encontrar Deus, ou deus, ou deuses, ou santos, ou um Homem Barbado Que Controla Marionetes por Cima das Nuvens, continuem nesse caminho, mas sem rechaçar quem não acredita, pois a verdade absoluta semanticamente ja é um absurdo, uma palavra vaga, como certo ou errado, bem ou mal, perfeito e imperfeito, estes são conceitos humanos, e se voces querem humanizar DEUS, a contradição aqui não sou eu.

  4. Oseias disse:

    Concordo plenamente com o Marcos, aliás vale ressaltar, que essa “cultura revolucionária” revolucionou sim os índices de violência e rebeldia enfadonha, pois deturpam princípios da moralidade que dão estrura para a vida social. As mensagens sublinares imiscuidas nessa filosofia de paz, redunda sim na raiz de todos os males, rebelião contra o Senhorio de Cristo, provocando guerras, contendas, divisões, porfias, perfídia e tudo quanto o egoísmo humano é capaz de produzir. São frutos palatáveis doces, mas tornam-se amargos no ventre: Há dois mil anos a revelação da palavra à João, na ilha de Patmos já discorria sobre isto. Não entende quem não se submete a palavra, pois preferem lendas fantasiosas sobre a paz mundial, sendo que o inferno abocanha vidas que conscientemente preferem estarem entorpecidas. A lucidez condição primordial para compreender quem realmente sou e o que preciso ser, lógico, preciso ser alguém que goza de profunda paz de Espírito, pois a certeza de ser Salvo é privilégio daqueles que amam a Cristo. Paz real, profunda e equalizadora da alma é fruto do Espírito de Deus: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Eis a pergunta que não quer calar: Quais frutos a viagem psicodélica produz? a resposta é uma somente: prostituição, impureza, lascívia, idolaria, feitiçaria, inimizades, prfias, ciúmes, iras, discórdias, dissensões, facções, invejas, bebedices, glutonarias e coisas semelhantes. Tais frutos alargam a “boca” da condenação e alargam a tenda do inferno, daquele que eternamente estará distante da presença de Deus. Pensem nisto: Do que adianta ter todas as riquezas deste mundo, ser amado por muitos, mas jamais conhecer a mente e a vida em Jesus? Trocar a Eternidade com Cristo em profunda paz, ou obter momentos de viagem, de fuga momentaneas e jamais presenciarem a bondade de Deus, que quer se acredite ou não é real. Não é uma mera ação de negação da sua existência que o faz irreal. Muito pelo contrário, independente de mim sempre existiu e retornará, e tudo estará patente aos seus olhos que dará a cada um segundo suas convicções e obras a retribuição do bem com a vida eterna e do mal com a destruição irremediável.

  5. Marco disse:

    A música e filosofia dos anos 60 tiveram tremenda influência sobre milhões de adolescentes, jovens, estudantes universitários e adultos encorajando-os ao uso das drogas ilícitas, crenças (como karma e reencarnação) e práticas da Nova Era (como meditação mística do oriente).
    FRUTOS AMARGOS:
    Uma humanidade mentalmente doente, famílias destruídas, valores morais corrompidos, homossexualidade manifesta ou reprimida, rebelião de feminismo antinatural, hábito de droga, esboços sociais corruptos, mocidades furiosas sem direção, que não respeitam hierarquias (pais e autoridades), nações convulsionadas, pedofilia, lascívia irracional e todo o outro tipo de aberrações existentes. O movimento Hippie com o slogan “paz e amor” não serviu pra muita coisa, apenas pra mostrar a rebeldia de alguns jovens, muitos deles, famosos ou não, foram consumidos pela cocaína e outras drogas. Tentaram pregar a libertinagem chamado-a de liberdade. A liderança dos beatles e dos rolling stones e de outros rebeldes, lamentavelmente, ainda continua dando muitos frutos amargos. A influência maléfica dos anos 60 forjou uma geração de seguidores pagãos da Nova Era, seguidores moldados para futuras lideranças de movimentos satânicos que depois iriam ocupar nossas escolas, a justiça, a polícia ,a política e principalmente a mídia.
    Quem nunca gostou de beatles, rolling Stones e que acha que não teve qualquer influencia dos anos 60 e 70, não pense que nas artes,na musica moderna, na sociedade e na cultura da atualidade a influência deles não está ativa, independente de estilos e ritmos, os conceitos rebeldes daquela geração continuam mais vivos do que nunca.
    CUIDADO! Principalmente você jovem que se coloca contra Deus, contra os seus pais, e que gosta da rebeldia (contra qualquer autoridade). Satanás está te influenciando sem que você saiba. Alcoolismo, consumo de drogas, liberdade sexual, feminismo, homossexualismo … são coisas condenadas na Palavra de Cristo e têm degradado a humanidade. A situação atual do mundo pode comprovar isto.

    Sim, há caminho que ao homem parece direito, mas o seu fim são os caminhos da morte (Provérbios 14:12).

    CRISTO disse :”Eu sou o CAMINHO, A VERDADE e A VIDA; ninguém vem ao Pai, senão por mim.”(João 14:6).

    • claudio disse:

      nossa marco muito legal essa ultima mensagem adorei ok!

    • Alaide disse:

      A influencia é lógico que contribui para qual direção caminha o homem, mais não foi o movimento hippie a causa do mal do mundo, e sim o fatismo muitas vezes religiosos, muitos males foram feitos a humanidade em nome do Cristo e seu movimento foi e ainda é, se fosse seguido o modelo mais perfeito que veio ao mundo. no entanto mata-se em seu nome.
      porem foi Ele mesmo que disse, ” Eu não vim trazer a paz, mais sim a espada”
      se fizermos uma leitura inteligente podemos concluir que, O Mestre dos Mestres não nos deixou um Mandamento, e sim nos mstrou um direcionamento para a paz. O amor ao próximo, o amor a Deus e o amor a si proprio. Amai ao Próximo como a ti mesmo, não menos e nem mais.
      Portanto as lutas sejam como forem fazem parte da evolução humana, resta ao mais sabio entender o mais iguinorante, o mais forte, socorrer o mais fraco. Esta é a Lei natural.

  6. Bruna disse:

    Queila!!!! Muito boa sua matétia sobre os hippies… Parece que agente consegue entrar na época deles e entender o que se passava realmente em suas mentes… Dá até vergonha dos jovens de hj que se rebelam sem causa, os hippies sim tinham motivos reais para quererem paz e amor! heheh.
    Gostei muito… mas onde estão as partes 3/4 e 4/4??
    Queria saber mais sobre isso!…
    Muito Obrigada!!!

  7. jessica disse:

    muito boa essa materia. adorei d++++++.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *